O Centro Cirúrgico

Áudio, sala de aula, dia 1
Áudio, sala de aula, dia 2
Áudio, sala de aula, dia 3

A planta física de um centro cirúrgico deve dispor de:

  • vestiários masculinos e femininos, com sanitário e chuveiro;
  • rouparia;
  • lavabo;
  • posto de enfermagem;
  • sala de estar para médicos;
  • sala(s) de cirurgia;
  • sala de material de limpeza (DML);
  • sala de expurgo;
  • sala para estocagem de materiais esterilizados, descartáveis, medicamentos;
  • sala de guarda de aparelhos;
  • área para guardar e transferir macas;
  • sala para depósito de cilindros de gás;
  • área de recepção de paciente;
  • sala de espera.

Os departamentos intimamente ligados ao CC:

  • lavanderia;
  • banco de sangue;
  • departamento de manutenção;
  • central de telefonia;
  • farmácia;
  • raio-x;
  • CME (central de materiais esterilizados);
  • UTI;
  • PS;
  • unidade de internação;
  • ambulatório.

Os equipamentos fixos, integrados na estrutura física, são:

  • o foco de iluminação central;
  • focos auxiliares (embutidos no teto);
  • negatoscópio;
  • sistema de gases utilizados em anestesia

Retirados e colocados conforme necessidade, os equipamentos móveis são:

  • mesa de operação;
  • mesa para roupas esterilizadas;
  • mesa para instrumentação cirúrgica;
  • mesa para anestesista;
  • mesa de Mayo;
  • banco giratório;
  • escada com dois degraus;
  • suporte de soro;
  • hamper para roupas usadas;
  • hamper para compressas cirúrgicas;
  • balde de lixo;
  • bisturi elétrico;
  • aspirador;
  • monitores;
  • perneiras;
  • coxins;
  • balança para pesar compressas;
  • equipamentos para anestesia;
  • arco de narcose.

A régua de gases dispõe das respectivas cores padronizadas para os gases:

  • cinza para vácuo;
  • verde para oxigênio;
  • amarelo para ar-comprimido;
  • azul para óxido nitroso.

As atribuições do circulante de sala em uma cirurgia são:

  • trabalhar rapidamente sob tensão e supervisionado por enfermeiro;
  • ter tempo de relação rápido e realizar mudança em situações inesperadas;
  • antecipar-se às necessidades do cirurgião;
  • adaptar-se ao trabalho sobre tensão;
  • ser paciente e procurar ter controle emocional em uma situação tensa;
  • ganhar confiança do paciente e tranquilizá-lo.

Ao término:

  • deve ficar ao lado do paciente até encaminhá-lo ao RPA (recuperação pós-anestésica);
  • colocar o mobiliário no lugar;
  • completar as anotações;
  • auxiliar na passagem da mesa cirúrgica para a maca;
  • encaminhar caixa de instrumental;
  • encaminhar caneta de bisturi e ponta de aspirador para o expurgo;
  • separar roupas e campos;
  • separar os lixos;
  • lavar as mãos;
  • montar a sala para a próxima cirurgia.

O paciente deve ser posicionado em uma posição específica para o procedimento cirúrgico:

  • posição dorsal ou supina (DDH – decúbito dorsal horizontal);
  • posição Trendelemburg;
  • posição Trendelemburg reversa;
  • posição de litotomia;
  • posição ventral ou prona (decúbito ventral);
  • posição lateral;
  • posição ginecológica.

Devemos evitar que o paciente entre em contato com a mesa cirúrgica devido a utilização do Bisturi elétrico.

Os profissionais que compõem o CC:

  • a equipe de cirurgia é composta de: cirurgião, anestesista, assistente do cirurgião e instrumentador cirúrgico;
  • a equipe de enfermagem são os circulantes: enfermeiros, técnico de enfermagem, auxiliar de enfermagem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *